Há uns meses foi introduzida no Facebook uma grande mudança. Agora podemos expressar sentimentos de “adoro”, “surpresa”, “riso”, “triste” e “irritado” para além do nosso parceiro e famoso “gosto”.

Numa primeira análise estes novos emoticons permitem expandir o nosso vocabulário emocional (e reduzi-lo na forma de uma imagem) ao mesmo tempo que oferecem valiosos dados às empresas. No entanto ainda são limitados. Apenas refletem um conjunto de emoções que a maior parte de nós acredita serem “aceitáveis demonstrar” numa rede social.

Ou seja, há uma série de sentimentos mais complexos, ou mais depreciativos, que o facebook ainda não contempla: imaginem como se tornaria a timeline da rede se tivéssemos à nossa disposição emoticons para frustração, inveja, tédio, solidão, raiva ou desprezo, ódio, etc.

Humm… ou talvez não. Agora imaginem aquele vosso amigo/amiga que coloca uma selfie auto lisonjeira – talvez por baixa estima. Ou então imaginem aquele colega que constantemente coloca cifras e ensinamentos profundos sobre a vida – talvez por desilusão. Se calhar o que pensamos muitas vezes é que são egocêntricos, solitários e até falsos. No entanto a seta do rato ou dedo vão parar quase sempre ao botão “gosto” do respectivo post.

Como na vida real, também na vida online, aprendemos a ser corretos para estarmos integrados, para fazermos parte do grupo. Mais do que sermos verdadeiramente honestos, estamos preocupados em não sermos desagradáveis. Preocupámo-nos para que as nossas palavras não sejam mal interpretadas (no mundo online não temos o tom de voz, as expressões faciais e os gestos que completam  um quadro emocional, logo a possibilidade das nossas palavras serem mal interpretadas são maiores).

Resumindo: no facebook ou na vida real as atitudes podem não revelar imediatamente o que parecem à primeira vista. É como um par de enamorados que se apaixona e só como passar do tempo realmente se conhecem.

Também nos estudos de mercado o entrevistado pode não dizer completamente a verdade para “parecer bem”, apresar do anonimato. É muito importante ler as entre linhas e espreitar por trás do véu.  Olhar só para as primeiras aparências pode ser enganoso tanto no mundo online com offfline.

 

Duarte Cardoso

8-4-2016

Anúncios